"Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém" Carta do Apóstolo Paulo aos Coríntios

"Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém [...]". (Carta do Apóstolo Paulo aos cristãos. Coríntios 6:12) Tudo posso, tudo quero, mas eu devo? Quero, mas não posso. Até posso, se burlar a regra; mas eu devo? Segundo o filósofo Mário Sérgio Cortella, ética é o conjunto de valores e princípios que [todos] usamos para definir as três grandes questões da vida, que são: QUERO, DEVO, POSSO. Tem coisas que eu quero, mas não posso. Tem coisas que eu posso, mas não devo. Tem coisas que eu devo, mas não quero. Cortella complementa "Quando temos paz de espírito? Temos paz de espítito quando aquilo que queremos é o que podemos e é o que devemos." (Cortella, 2009). Imagem Toscana, Itália.















terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

LUDISMO E CARTISMO

MOVIMENTO LUDISTA




Por Emerson Santiago

Ludismo ou Movimento Ludista é o nome dado a um movimento ocorrido na Inglaterra entre os anos de 1811 e 1812, que reuniu alguns trabalhadores das indústrias contrários aos avanços tecnológicos em curso, proporcionados pelo advento da Primeira Revolução Industrial. Os ludistas protestavam contra a substituição da mão-de-obra humana por máquinas. O ludismo pode ser considerado o primeiro movimento operário de reivindicação de melhorias nas relações e condições de trabalho. Tanto o Ludismo como o Cartismo foram movimentos que colocaram em destaque a questão do trabalho e as suas condições.
O nome do movimento deriva do nome de um suposto trabalhador, Ned Ludd, que teria quebrado as máquinas de seu patrão. Mesmo sem qualquer comprovação, a história serviu de inspiração para vários operários que viam nas máquinas a razão de sua condição de miséria. Hoje em dia, o termo ludita (do inglês luddite) identifica toda pessoa que se opõe à industrialização intensa ou a novas tecnologias, geralmente vinculadas ao movimento operário anarcoprimitivista.
Para além de histórico, o termo passou a expressar um conceito político, usado para designar todos aqueles que se opõem ao desenvolvimento tecnológico ou industrial, num movimento chamado de neoludismo, que guarda muitas semelhanças com o movimento original.
Os luditas chamaram muita atenção pelos seus atos, apesar das reclamações contra as máquinas e a sua supressão da mão-de-obra humana já serem fatos normais, pois os operários, além desta ameaça de perder seus empregos, viviam em péssimas condições com jornada de trabalho extensa e remuneração baixa. Seus integrantes invadiam fábricas e causavam a destruição de todos os equipamentos que, segundo estes, por serem mais eficientes que os homens, tiravam seus trabalhos. Os luditas ficaram lembrados como "os quebradores de máquinas".
O Movimento Ludista atinge seu ápice após o assalto noturno à manufatura de William Cartwright, no condado de York, em Abril de 1812. No ano seguinte, na mesma cidade, teve lugar o maior processo contra os ludistas, onde sessenta e quatro foram acusados de terem atentado contra a manufatura, resultando em treze condenações à morte e duas deportações para as colônias.
O movimento ludista perderá força com a organização dos primeiros sindicatos na Inglaterra, as chamadas trade unions. Apesar de não carregar um conteúdo ideológico, os luditas foram importantes por levar a um questionamento do molde de desenvolvimento do Capitalismo e pela consequente utilização de tantas máquinas e o seu efetivo benefício à coletividade. Ainda hoje, mesmo analisada sob o contexto da questão ambiental, a questão preocupa ambientalistas e estudiosos.

CARTISMO

Por Emerson Santiago

Recebe o nome de Cartismo o primeiro movimento de massa das classes operárias da Inglaterra, ocorrido entre as décadas de 30 e 40 do século XIX, e que basicamente exigia melhores condições para os trabalhadores na indústria. Durante vários anos os cartistas realizaram comícios e manifestações por todo o país, nos quais participaram milhões de operários e artesãos.
O nome do movimento tem sua origem na carta escrita pelo radical William Lovett, em maio de 1838, a chamada Carta do Povo, na qual estavam registradas todas as reivindicações que os participantes do movimento desejavam ver implementadas.
A carta continha seis exigências:
  • voto universal;
  • igualdade entre os distritos eleitorais;
  • voto secreto por meio de cédula;
  • eleição anual;
  • pagamento aos membros do Parlamento;
  • abolição da qualificação segundo as posses para a participação no Parlamento;
O cartismo é um fenômeno derivado das mudanças trazidas pela Primeira Revolução Industrial. Do mesmo modo que esta trouxe progresso e altos lucros a vários de seus idealizadores, uma outra massa vinda do campo para suprir a demanda de mão de obra nas fábricas sofria com salários baixos, péssimas condições de trabalho e turnos de trabalho excessivos. Vários são os relatos das primeiras décadas do século XIX sobre protestos onde o operariado britânico buscava superar as dificuldades e problemas de seu cotidiano. O Cartismo foi o primeiro movimento tanto de classe como de caráter nacional, contra as injustiças sociais da nova ordem industrial na Grã Bretanha.
Apesar de apresentar melhor união e organização comparado a movimentos anteriores similares, a Carta do Povo não foi ratificada pelo Parlamento inglês, que rejeitou todas as petições dos cartistas. O governo reprimiu cruelmente seus simpatizantes e prendeu os seus dirigentes, esmagando o movimento. A influência do cartismo, porém, sobre o desenvolvimento do movimento operário internacional foi muito grande.
Em 1848, a causa cartista ganhou fôlego com a preparação de uma grande manifestação operária, onde estima-se a mobilização de aproximadamente 500 mil trabalhadores. Com tal representação, os líderes cartistas esperavam finalmente pressionar o Parlamento para que este atendesse suas principais demandas. Contudo, a manifestação agendada para o dia 10 de abril daquele ano não teve uma participação esperada, devido a uma grande tempestade que tomou conta da capital britânica.
Após o fim do movimento, diversas leis trabalhistas foram criadas no intuito de combater a exploração da força de trabalho e mediar as relações entre os operários e a burguesia industrial.

Fontes: http://www.infoescola.com/historia/ludismo/
http://www.infoescola.com/historia/cartismo/