"Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém" Carta do Apóstolo Paulo aos Coríntios

"Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém [...]". (Carta do Apóstolo Paulo aos cristãos. Coríntios 6:12) Tudo posso, tudo quero, mas eu devo? Quero, mas não posso. Até posso, se burlar a regra; mas eu devo? Segundo o filósofo Mário Sérgio Cortella, ética é o conjunto de valores e princípios que [todos] usamos para definir as três grandes questões da vida, que são: QUERO, DEVO, POSSO. Tem coisas que eu quero, mas não posso. Tem coisas que eu posso, mas não devo. Tem coisas que eu devo, mas não quero. Cortella complementa "Quando temos paz de espírito? Temos paz de espítito quando aquilo que queremos é o que podemos e é o que devemos." (Cortella, 2009). Imagem Toscana, Itália.















quinta-feira, 30 de junho de 2011

A imortalidade da Ética 2

 
Prezados alunos,

Mais um semestre chega ao seu fim. Foi, sem sombra de dúvidas, um semestre incomum. É provável que esse email não seja lido por todos os alunos, muito embora eu já me sinta reconfortada se alguns poucos puderem ler essa minha mensagem e, quiçá, multiplicá-la.

Pode parecer uma mensagem de boas férias. Não deixa de ser. Entretanto, me sinto na obrigação moral, como docente da disciplina de Ética que sou, de alinhavar nesse pequeno texto, alguns episódios desagradáveis ocorridos nesse semestre letivo.

Nunca comparado há semestres anteriores, tivemos tantos casos de alunos descontentes, não com seu desempenho, mas com a nota que lhe fora atribuída, como se o professor atribuísse a nota de outra forma que não fosse através da análise do desempenho do aluno. Nunca tivemos tantos casos de alunos perguntando a matéria da prova horas antes da sua realização. Casos de discentes “pedindo” pontos a mais, barganhando sua aprovação como se negociasse um carro, um quilo de carne, um sapato. Casos de alunos, salvo algumas poucas exceções, pedindo de maneira desavergonhada, o abono de suas ausências em aula. O desrespeito aos docentes, dentro do espaço mais sagrado que é a sala de aula, no entrar e sair da mesma, durante o momento mais precioso da explicação, portanto refrigerantes, salgadinhos; como se isso fosse normal.

Como se somente isso já fosse anômalo, nunca tivemos, nesse semestre, se comparado há semestres anteriores, tantos casos de plágios em trabalhos acadêmicos, alunos riscando, rasgando, pisando em provas e, infelizmente me ponho a relatar, casos de falsidade ideológica. Não entrarei no mérito da questão, apesar de que se faz necessário salientar que plagiar e identificar-se com o nome de outrem se tratam de crimes previstos no Código Penal (Lei 9610 de 19 de fevereiro de 1988 – Lei dos Direitos Autorais) e a Lei de Falsidade Ideológica (Falsa Identidade. Consiste em se fazer passar por outra pessoa, com o objetivo de obter alguma vantagem ou prejudicar outrem. Pena: detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa.) Jornal do Direito. Fev/mar 2006. Advogado Thiago Lauria.
Notamos que a PO3, isto é, a terceira oportunidade que o aluno tem de poder recuperar a sua nota e não ficar com o fardo de uma DP, passou a ser encarada como mais uma oportunidade de colar, de falsificar, de camuflar, de fraudar. Salvo casos de alunos que vemos que estão levando seu curso com seriedade e que pretendem ser um profissional capacitado e ético no futuro, o restante não passa de um verdadeiro embuste. Colas artesanais, em transparências, micro filmadas, camufladas, psicografadas, etc, etc, etc.
Vamos estudar meus alunos!!! Vamos ler os textos e as apostilas fornecidos!!! Vamos visitar mais a biblioteca!!! Façam sua parte no processo, pois é a sua formação que está em jogo. Vocês serão os futuros profissionais que estarão no mercado de trabalho futuramente. Se considerarmos que embasados nesses critérios e praticando tais condutas, vocês considerar-se-ão futuros profissionais, o que farão vocês diante de possíveis dúvidas que surgirão:
"Quanto de cimento devo colocar nessa coluna? Sei lá. Como faz mesmo esse cálculo? Não sei. Essa viga mestra tem que ter quanto de altura? Humm... Essa resistência comportará a corrente elétrica que passará por aqui? Acho que sim. Esse material vai resistir? Acho que vai. O fornecedor está me apresentando uma nota superfaturada e me incluindo no processo, o que eu faço? Vou tirar proveito ou não? De quanto é a comissão? Vou assinar esse projeto por outro profissional, mas acho que isso não tem problema!"
Entristece-me profundamente que o curso universitário, a base de uma carreira profissional de sucesso, seja lá qual for a área escolhida, está sendo considerado com tanta desconsideração. Está sendo feito aos trancos e barrancos.
Dificuldades, todos temos! Faltou-nos a base, necessária em anos anteriores de ensino médio? Sim! Mas essa deficiência não justifica, em momento algum, a conduta do embuste e da falcatrua.
Vamos estudar meus alunos!!! Vamos amanhecer sob nossos livros!!! Vamos pernoitar em cima de planilhas de cálculos!!! Vamos debruçar em apostilas e gráficos!!! Vamos nos empenhar!!!
Muito café para vocês!
Boas férias a todos e reflitamos sobre a nossa ética!
Profª Marilia Coltri